Login Utilizador

Conta

Quem é Português aprende a Desenrascar, e este é o Blog!

desenrascar.com

Um Blog de partilha de opinião, ideias e desenrascanços, totalmente em português pt-pt



Categorias


Últimos Posts

Publicidade

Alugar Carro Barato em Ponta Delgada, Açores

Alugar Carro Barato Ilha de São Miguel, Açores

Alugar Carro Barato Cidade do Porto

Alugar Carro Barato Aeroporto do Porto, Portugal

Será que são os restos mortais de um Extra-Terrestre ?

A cabeça severamente alongada de um esqueleto preservado encontrado no deserto de Atacama, no Peru, em 2003, é tão incomum que inicialmente levou as pessoas a sugerirem que o corpo diminuto era o de um extraterrestre.

Desde então, o teste de DNA confirmou que os restos - que medem cerca de 15 centímetros de comprimento - pertenciam a um feto humano que os pesquisadores batizaram de Ata. Mas os cientistas que conduziram a investigação e publicaram suas descobertas em março foram recentemente criticados por seus métodos.

No dia 18 de Julho, outro grupo de pesquisadores apresentou uma avaliação do estudo anterior, publicando uma análise no International Journal of Paleopathology. Eles criticaram a pesquisa anterior, sugerindo que suas conclusões sobre as chamadas anormalidades do esqueleto - como a falta de costelas - refletem uma compreensão incompleta do desenvolvimento fetal normal. Essa interpretação equivocada dos restos levou os cientistas a prosseguir com a extração de DNA que danificava parte do esqueleto.

No novo artigo, os autores apontaram que o crânio e o corpo de aspecto incomum da múmia não eram necessariamente o resultado de "anomalias", como sugerido pela pesquisa anterior. Em vez disso, o crânio poderia ter sido alongado pelo parto vaginal do feto prematuro, enquanto o calor e a pressão no subsolo após o corpo ser enterrado poderiam ter comprimido ainda mais o crânio, relataram os cientistas.

Dieuf_0UwAA_HmL.jpg Um exemplar mumificado da região de Atacama, no Chile, provocou especulações por uma década sobre o peculiar crânio do achado.

Os autores da nova análise também questionaram a sugestão da pesquisa anterior de que "novas mutações" poderiam explicar o tamanho da múmia. Os autores observaram que o desenvolvimento esquelético na idade suspeita do feto, 15 semanas, não teria sido afetado pelas variantes genéticas que os pesquisadores descreveram no estudo anterior.

Como se acredita que os restos mortais tenham apenas algumas décadas, estudá-los levanta preocupações éticas de que o estudo de março não tratou adequadamente, disseram os cientistas no novo estudo. Além disso, como a extração de DNA pode destruir alguns dos tecidos do corpo, restrições adicionais normalmente se aplicam a esse exame. E não está claro no estudo anterior que a amostragem de DNA foi necessária para começar, disseram os pesquisadores.

"Infelizmente, não havia justificativa científica para realizar análises genômicas de Ata, porque o esqueleto é normal", escreveram os autores no novo estudo, acrescentando que o teste do genoma completo realizado anteriormente "era desnecessário e antiético".

"Nós alertamos os pesquisadores de DNA sobre como se envolver em casos que não têm contexto e legalidade claros, ou onde os restos residem em coleções particulares", concluíram os autores do estudo.

Artigo original sobre Ciência Viva.

E esta hein ?

Abc,

Desenrascador